Textos, Tropeços e Pensamentos Quixotescos...

Jornalista. Cinéfila. Neurótica praticante. Aquela que sempre anda com um livro embaixo do braço. Aquela que adora compartilhar bobagens. Uma Dom Quixote fêmea, a combater moinhos de vento...
"Dize o que quiseres, conquanto que suas palavras não visem me atemorizar; assuma o seu medo, se o tiveres, que eu procederei como quem não tem, se for o caso."
(Dom Quixote de La Mancha)

18.1.08

Insegurança Feminina


Tarde da noite. Após devorar meia dúzia de bombons Lindt, uma lata de batatas Pringles, um litro de suco de soja sabor maçã e pronta para abrir a geladeira novamente, Julia resolve ligar para Leila. O telefone toca várias vezes, mas Leila não ouve, está curtindo um sonho muito interessante com o instrutor da academia. Então, assim que a ligação cai na secretária eletrônica, Julia deixa um recado desesperado: “Puxa Leila, eu aqui passando o maior perrengue e cadê você?” Desliga o telefone e, enjoada, vai vomitar no banheiro. Dez minutos depois, resolve ligar novamente para a amiga e dessa vez, após o quinto toque, ela atende:


-Alô – sussurra Leila, ainda na fronteira entre o sonho e a realidade.


-Leila? – alegra-se Julia.


-Claro, quem poderia ser?


-Oi amiga! Você estava dormindo?


-Não, estava descansando os olhos. Julia, já passa da meia-noite sabia?!


-Ah, desculpe, eu perdi a noção da hora...


-O que foi? Alguém morreu?


-Ainda não.


-O que aconteceu então?


-Nada não, eu vou ficar bem, desculpe ter acordado você, nos falamos amanhã...


-Julia querida, você já me acordou! Agora desembucha por favor!


-É que eu estou me sentindo péssimaaaaaaa...


-Por que está chorando? Aconteceu alguma coisa com o bebê?


-Não, o bebê está ótimo e muito bem alimentado aqui na minha barriga. Acabo de detonar o estoque de comida aqui de casa.


-Ufa! Você me assustou!


-É o Cláudio...


-O que tem o Cláudio? Ele não ia chegar de viagem hoje? Aliás, ele não está aí?


-Não, ele não voltouuuuu.


-Calma, pare de chorar, respire...


-Mas eu estou respirandooooo.


-Ok, agora conte-me o que aconteceu.


-Eu liguei para o Cláudio logo cedo e ele disse que não podia falar muito porque estava em uma reunião...


-Certo...


-Hoje é nosso aniversário de casamento e ele nem se deu ao trabalho de lembrar.


-É mesmo? Que estranho, ele não costuma esquecer essas datas, não é?


-Pois é, também achei estranho, mas como ele está trabalhando muito ultimamente eu resolvi ligar de novo, uma hora depois.


-E aí ele atendeu?


-Não, caiu na caixa postal.


-Hum.


-Daí esperei até a hora do almoço, liguei novamente...


-E?


-Ele atendeu, disse que estava almoçando com alguns clientes, perguntou se estava tudo bem e falou com a cara mais lavada do mundo que não voltaria hoje.


-E ele falou o motivo?


-Justificou rapidamente dizendo que surgiram alguns imprevistos lá em Curitiba e ele teria que trabalhar até mais tarde.


-Pode ser verdade.


-Imprevistos às sextas-feiras?


-E por que não?


-Duvido...e o pior veio depois...


-O que aconteceu?


-Por volta das 18h00 eu liguei novamente. Na terceira tentativa uma moça muito simpática e com a voz sensual atendeu o telefone.


-E?


-Imagine que a piranha perguntou quem eu era. Achei um absurdo, claro! Quem permitiu esse tipo de intimidade? Entãofalei “Sou a esposa dele, e você deve ser alguma amiga muito íntima para atender o telefone perguntando quem eu sou..”


-Jura que você falou assim?


-Falei...Aí rolou uma pausa...na seqüência um burburinho. Sabe quando parece que a pessoa do outro lado está cochichando alguma coisa pra alguém?


-Ahn...sei.


-Então ela disse, muito tranquila por sinal: “Desculpe se pareci intima demais querida, eu trabalho com o Cláudio, ainda não tivemos o prazer de nos conhecer. Estamos em um happy hour com a ‘turma do escritório’ e no momento seu marido está no banheiro. Posso ajudá-la?”


-E você?


-Eu não disse nada e desliguei o telefone na cara dela.


-Não acredito que você fez isso...


-Por que, você não faria o mesmo?


-Julia, qual é o problema da mulher ter atendido o celular do Cláudio? Você ligou várias vezes, provavelmente as pessoas que estavam em volta não agüentavam mais ouvir o telefone tocar...


-Primeiro, eu não acho que o Cláudio estava em nenhum happy hour. Segundo, se ele teve um imprevisto e me disse que trabalharia até tarde, o que fazia em um bar? Terceiro, ele esqueceu nosso aniversário e isso nunca aconteceu antes.


-E onde ele estava então ‘senhorita sabe-tudo’?


-O Cláudio devia estar embaixo dos lençóis com essa vadia.


-Julia, você enlouqueceu? O que faz com que você pense essas coisas?


-Várias coisas.


-Que coisas?


-Coisas que prefiro não comentar, pois como sempre você, a mulher mais segura do mundo, está achando que eu sou neurótica.


-Julia, eu não sou a mulher mais segura do mundo e não acho que você é neurótica, mas está muito sensível por causa da gravidez, é normal...


-Desde que nos conhecemos, há 20 anos, você me diz que eu sou neurótica. Você acha que eu sou neurótica não é? Pode falar a verdade, eu agüento Leila!


-Bem querida, tenho que admitir que você é um pouco sim, as vezes exageradamente, mas tudo bem, sou sua amiga, eu entendo...


-Não, você não entende. Você nunca foi casada com um cara parecido com o Rob Lowe. Nunca viu esse cara ser assediado milhares de vezes, em vários lugares, por muitas mulheres. Nunca esteve grávida e prestes a ser trocada por uma gostosona qualquer do escritório, que além de dormir com seu marido, faz questão de atender o telefone dele, só pra você ter certeza de que ele tem uma amante e que essa amante é ela.


-É impressão minha ou você realmente está falando sério?


-Claro que estou falando sério, sérissimo! É a segunda vez esse mês que o Cláudio vai para Curitiba.


-Julia, eu sinceramente não acredito que o Cláudio esteja traindo você. Aposto que depois de sua total falta de bom senso em ter sido tão grossa com a moça e ainda por cima ter desligado o telefone na cara dele, seu marido, com toda a paciência do mundo, retornou a ligação. Não foi?


-Não, não foi.


-Não?


-Não, eu liguei novamente, depois de 20 minutos e o celular estava na caixa postal.


-Bem, de repente o celular estava fora de área.


-Ah, me poupe Leila!



De repente Julia ouve um barulho na porta.



-Leila, como se não bastasse sentir a “galhada” crescendo na minha cabeça acho que estou prestes a ser assaltada....


-Ahn? Como assim?


-Ouvi um barulho na porta...


-Tem certeza?


-Se eu não ligar daqui a cinco minutos chame a polícia. Tchau!



Cláudio entra sorrateiramente no quarto, com um buquê de rosas e uma linda caixinha dourada.



-Olá querida, que bom que ainda está acordada! – joga-se na cama


-Puxa Cláudio, você me assustou! O que está fazendo aqui? Você disse que voltaria amanhã.


-Eu queria fazer uma surpresa meu amor...o vôo atrasou um pouco...você achou que eu esqueceria nosso aniversário?!


-Então você não esqueceu?


-Claro que não, só se eu fosse um imbecil insensível, não é?


-Não querido, eu nunca pensaria isso! É que eu mal consegui falar com você o dia todo e... =pareceu que você estava atolado de trabalho...


-Entendo...e depois uma moça atendeu o telefone e você ficou furiosa.


-Quem? Eu? Ela disse isso? Por que eu ficaria furiosa? Ela deve ser...deve ser...alguma colega do escritório?


-Mais do que isso...


-Ahn? Como assim? Não me diga que vocês, quer dizer, que ela...


-Ela é a nova diretora de marketing da empresa, ou seja, minha chefe. Dei uma passada no bar antes de ir para o Aeroporto só para fazer uma média, sabe como é... Espero que você tenha sido simpática com ela. Acredito que a ligação tenha...Caído?

-Cla...claro...justamente...a ligação caiu.


-Bom, menos mal... Você está feliz? Comprei isso para você.


-Um colar? Que lindo amor!


-Vou tomar um banho e já volto, ok?


-Ok, tá, tudo bem...

-Você está bem? Parece nervosa.

-Estou ótima, acho que são os hormônios...

Então, Julia espera Cláudio entrar no banheiro, pega o telefone e liga novamente para Leila:



-Leila?


-Oi Julia, e aí?


-Era o Cláudio, ele voltou.


-Voltou? Mas não disse que voltaria só amanhã?


-Sim, mas queria fazer uma surpresa.


-Viu só como você é neurótica? Aposto que está arrependida em imaginar todas aquelas coisas horríveis...


-É...pois é, devo ser neurótica mesmo.


-E a mulher que atendeu o telefone?


(Silêncio)


-Julia, você está aí?


-Estou sim.


-E então, e a mulher?


-O problema é que...bem...ela é a chefe dele...

4 Comments:

Anonymous Mayra Galdino said...

Bom, encontrei seu blog há algumas semanas nesses passeios no fim do dia pelo mundo virtual... gosto muito da forma com escreve, simples porém minuciosa... Se permitir publicarei seu texto “Insegurança Feminina” com os devidos créditos autorais, assim como eu, acho que muitas também irão de identificar com ele.

5:58 AM  
Blogger Luciana Sanches said...

Oi Mayra, obrigada pelo comentário, bom saber que vc gostou do texto. Porém, antes de publicá-lo gostaria de saber onde e quando ok?
Abraço

8:04 AM  
Anonymous Anônimo said...

Juro que parei de prestar mtaaa anteção nesse texto na hora que ela fala que o marido é parecido com o Rob Lowe ... tá, ele é meu ídolo-mor da adolescencia, eu querooooo um Rob Lowe-alike pra mim!!!!! :D Bj [Adri]

5:38 AM  
Anonymous Gabriel said...

putz, meu.. eu ja tava ficando sem paciencia com essa mina! neurotica!! eu tinha uma namorada assim! meti a bota nela e ateh hj tenho trauma de mulher neurotica! ODEIO"!

6:09 AM  

Postar um comentário

<< Home